Uma leitura semiótica do momento na imagem histórica de Botucatu sp

 

                                                       Joaquim Luiz Nogueira 

Na imagem acima podemos fazer uma leitura de sentido a partir da direita para esquerda, tendo no alto, o destaque de uma coluna redonda, cujo término em forma de esquadro, que segundo o wikipedia.org.  “é um instrumento de desenho utilizado em obras civis e que também pode ser usado para fazer linhas retas verticais com precisão para 90°”. Logo abaixo, esta estrutura é encoberta por uma espécie de marquise aberta em linha reta, que projeta abaixo dela a outra parte da imagem que vamos analisar.

Da esquerda para direita, temos uma pessoa que usa uma máscara branca, uma vestimenta aberta, que visualiza o contraste entre as cores preta, vermelha, cinza e o branco. Com seu rosto direcionado para o centro da imagem, porém, para o observador que olha essa fotografia, sua visão é intercalada por uma caixa em azul de tampa branca e contém um cartaz, escrito em vermelho a palavra "VACINA".

A frente desta caixa, vários objetos na cor branca perdem o foco para a palavra escrita em vermelho e que projeta acima dela duas pessoas cuja vestimenta e as máscaras na cor preta, portanto, para o observador, sua visão começa na pálida cor branca da mesa, passa pela cor azul e termina no cromado predominante da cor escura.

E avançando em direção ao centro da imagem, temos ainda sobre a mesa outra caixa amarela com letras ilegíveis para o leitor, que termina no centro da imagem, com uma pessoa sentada e braço esquerdo preparado para receber a vacina, porém, seu rosto encara o fotógrafo e permite ao observador o contraste no seu corpo das cores escuras, branca e vermelha de seu lenço, que mais acima se encadeia com as cores azul claro e azul marinho das máscaras das duas pessoas logo atrás dela , terminando com o grande quadro de cor azul e letras brancas e amarela. 

Na frase escrita em branco, temos: “O cuidado é de cada um” e na cor amarela “O benefício é para todos” Ambas as frases possuem aspas de início e final com o símbolo da cruz na cor branca e com pontos de reticências no início, antes do desenho.  O símbolo da cruz é algo muito rico de interpretações, porém, vamos ficar com as frases neste momento, a primeira foca no indivíduo como ser único e responsável por aquilo que lhe acontece, e a segunda, implica numa espécie de benfeitoria do mesmo sujeito, no sentido onírico de atingir a totalidade.

A terceira pessoa em pé no centro da imagem, inclina a cabeça e direciona seu olhar para o braço da mulher em que está recebendo a vacina, que para o observador da imagem, vislumbra somente as mãos do aplicador da vacina, cujas luvas brancas se encadeiam com as mangas do jaleco entrecortadas por uma faixa vermelha que parece atravessar seu braço neste momento, cujo fundo, é a cor da escuridão contrasta a cena.

Acima, o rosto do aplicador mostra ao observador o desenho de uma cruz azul na máscara, tonalidade do céu, do banner ao fundo, da máscara do zé gotinha e da caixa da vacina. Logo, a imagem que se inicia com os raios solares sobre a cor bege da marquise aos poucos ganha as quatro tonalidades predominantes: preta, azul, branca e vermelha.

Do amarelo da caixa em cima da mesa, vamos para a frase de cor semelhante “O benefício é para todos”, terminando esta tonalidade com a palavra vacina, localizada no fundo do banner. Na imagem, o que é para todos, enfatizado em amarelo, significa apenas uma pequena porção do quadro ilustrado ao alcance do observador.

No entanto, acima da caixa amarela, temos na camiseta de cor preta e o desenho de uma cruz branca deitada e sobre ela a palavra “DEUS”. Desta maneira, a imagem nos permite uma leitura cromática que nos denota o quanto que o momento demonstra por certo obscurecimento, assim como, a vontade de pacificar com a escrita da “VACINA” em cor vermelha, mais no cartaz de cor branca da caixa do imunizante. Logo, o azul do céu que parece transbordar no fundo da imagem e nos símbolos de cruz branca e azul, podemos dividir a figuração entre a cor bege da construção humana (marquise) e a atmosfera azulada de um espaço infinito, marcado pelo símbolo da cruz, ora na cor branca, ora na cor azul.

Desejo de paz, mergulhado na intenção de um céu infinito, que se divide entre  a construção humana e a profundidade de um gesto, que reúne  segundo a tonalidade azulada, uma intercessão do céu ou de Deus.

 

Fonte da imagem: https://www.gov.br/pt-br/noticias/saude-e-vigilancia-sanitaria/2021/05/toda-a-populacao-adulta-de-botucatu-sp-sera-vacinada

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Uma leitura semiótica do momento na imagem histórica de Botucatu sp

                                                         Joaquim Luiz Nogueira  Na imagem acima podemos fazer uma leitura de sentido a parti...